terça-feira, 27 de novembro de 2007

O trabalho perfeito


Sempre quis ser jornalista. Desde sempre. Adorava brincar com as revistas da minha mãe. Gostava de vê-las e de perceber que dentro delas o mundo era maior do que eu imaginava. Virei jornalista. Confesso - quem me conhece sabe - que tive muita sorte em minha carreira. Trabalhei em lugares legais, fiz freelas legais, tomei gosto pela gastronomia através do jornalista. Não poderia deixar de citar meu grande mestre, Celso Arnaldo, meu editor na Go Where que me ensinou muitas coisas a qual me lembro com muito carinho. Mestre como esse, jamais terei outro. Mas o que me levou a escrever esse tópico foi a grana. Conversando com um grande amigo esses dias, ele comentou que queria mudar de área e fazer uma nova faculdade. Incentivei-o. Eu tenho uma máxima: prefiro ganhar R$ 10 mil fazendo faxina do que R$ 1 mil sendo editora do Estadão. Claro que gostaria muito de saber mais sobre meu trabalho, de ganhar experiência, mas o dinheiro me motiva muito mais. Não quero passar a vida toda me humilhando. Sim, jornalismo é sinônimo de humilhação. Definitivamente não quero isso pra mim. Quero escrever uma matéria por mês - bem escrita - e claro, voltar a escrever mais sobre gastronomia. Tanto é que vou fazer, em 2008, o curso de chef. Por enquanto está bom, mas quero mais.
Quero que esse meu amigo consiga encarar uma nova faculdade. Quero também conseguir encarar uma pós graduação ano que vem. Mas quero mesmo que as pessoas tenham coragem de mudar, mesmo quando se achem velha demais para isso. O trabalho perfeito é aquele que começa agora.

Um comentário:

Marco disse...

Passei por este seu blog para ver o que podia encontrar sobre um trabalho perfeito, mas encontrie uma lição de vida, sim o dinheiro motiva, é verdade embora não seija tudo na vida(pelomeos para mim, mas inflismente hoje todo o ser humano está dependente o deinheiro que ganha para ter uma determinada qualidade de vida,assim me despeço, e que contino-e a ter uma optima carreira...